as vezes a felicidade é inevitável

Sempre acreditei em um determinismo dos nossos atos, desconfiou de signos, sorte e destino. No fundo estas crendices ou supertições são maneiras de esconder os nossos erros e disfarçar nosso comodismo. Uma forma de isentar nossa consiência do peso da culpa.

Construir sua casa sobre a rocha é um sábio conselho evangêlico, ou seja, estabelecer sua vida sobre alicerces firmes, se apoiar sobre uma base sólida e coesa, e poder viver em paz com a certeza de não ser surpreendido por alguma adversidade. Não é possivel simplesmente enfiar a mão no seu bolsinho da felicidade e tirá-la para passarem um final de semana juntos, ela é orgulhosa, quer ser conquistada e  quer que seja por toda a vida.

Aprendi de maneira concreta o que eu já sabia de forma teórica, quando se constroi a casa sobre a rocha, nada nem ninguem pode derrubá-la, o Prático um dos personagens da historia dos três porquinhos comunga dessa mesma minha idéia.

A felicidade é filha da coerência, fruto da verdade e da entrega aos seus projetos de amor e bondade. Nunca fui mais certo de uma coisa do que sou agora, quando se é coerente é inevitável não ser feliz. É inevitraável porque a felicidade tem uma verdadeira atração pela coerência.Acho realmente  impossível não ser feliz, quando somos honestos, verdadeiros, pacíficos, dispostos a abrir mão de certas pecuínhas que nos apegamos e principalmente quando não temos medo de correr atrás de nossos sonhos.

Posso viver mil anos, mas talvez só o dia de  hoje me bastaria.

meu colete a prova de medo

42-22071169Deixar de viver  sob  a batuta do medo é  a benção desejada por todo homem. O medo nos induz a insegurança, a insegurança nos leva a solidão, a solidão nos aprisiona, muda nosso endereço para um labirinto onde todos os caminhos levam pra longe de nós mesmo. Talvez , por isto,  aprendemos a marcar o mundo com a nossa obsessão em tornar seguro, carimbar nossas ações com o selo real do anti- medo. As pegadas da segurança são exatamente a assinatura da raça humana.

Nascemos e morremos tendo o medo como companheiro,  medo da dor, da solidão, medo da morte. O  medo da morte deve ser ressaltado ele nos obriga a gastar a vida tratando- a como um compromisso que gostaríamos de faltar. Mario Lago dizia “ter um pacto de convivência pacifica com morte,  nem ela me persegue e nem eu fujo dela um dia a gente se encontra” e foi assim que se encontraram um dia, e acertaram os ponteiros, o que falaram naquele dia, que também pode ter sido noite,  provavelmente  nunca saberemos.

Aprofundei-me também em criar minhas seguranças, a me proteger dos medos, da solidão vazia, aquela velhinha torturadora que mora numa casa velha e suja ao lado da nossa, me protegi da maneira mais sutil e simples, eu fiz amigos. Se me perguntasse qual a coisa mais significante que já fez  na vida eu diria, eu tenho um amigo. Nos momentos mais difíceis de minha vida foi a certeza de ter amigos,  pessoas que me estenderiam a mão, pessoas que não me deixariam sucumbir, que mesmo que tudo desse errado ainda existira um oásis, foi  o que me manteve de pé, o que me assegurou  ficar de pé e vencer as batalhas que venci,  e também a aceitar as derrotas que tive. Um amigo é um desespero tranqüilo é a minha declaração de bens.

Deitar e noite e saber que em algum lugar alguém pensa em nós é como fincar uma bandeira no deserto, o Kalil Gibran usa este símbolo, ela vai tremular aconteça o que aconteça, e quem olhá-la, carregará consigo a lembrança da sua insistência em trazer presente um objeto ausente, a inconformidade do abandono.   Alguém diante do qual podemos ser  vulneráveis, segurar a mão “sem medo” algum de ser deixado a mercê das severas leis da gravidade. Ter amigos foi a  maneira que encontrei de olhar no fundo dos olhos de Deus. Exupéry dizia no pequeno príncipe, ” que  gostava de olhar as estrelas a noites, por que em alguma delas morava um principezinho, que tinha uma rosa e 3 vulcões” por isto o céu inteiro era especial.

É exatamente por isto que me sinto especial, eu tenho alguém por que vale a pena continuar vivendo, eu tenho um amigo.

o maior número com 1 algarismo

Denomina-se fatoríal de um número ao produto dos números naturais desde 1 até esse número.
Assim, por exemplo, o fatorial de 5 é dado pelo produto 1 x 2 x 3 x 4 x 5 . Essa expressão é indicada abreviadamente pela notação 5!
que se lê: fatorial de 5

Denomina-se fatoríal de um número ao produto dos números
naturais desde 1 até esse número.20
Assim, por exemplo, o fatorial de 5 é dado pelo produto
1 x 2 x 3 x 4 x 5 .
Essa expressão é indicada abreviadamente pela notação 5!
que se lê: fatorial de 5.
Determinemos os fatoriais de alguns números:
3! =
4! =
5 ! =
9! =
6
24
120
362880
Com auxílio do sinal de fatorial podemos escrever expressões
numéricas muito interessantes.
Calculemos, por exemplo, o fatorial de 362880, isto é, o produto
de todos os números desde 1 até 362880, Esse produto é,
como já sabemos, indicado pela notação
362880!
20Esse número é suposto inteiro e positivo. Segundo convenção, o fatorial da unidade
e o fatorial de zero sào iguais a 1.
66
Esse número 362880 que aí figura é o fatorial de 9; podemos,
portanto, substituí-lo pelo símbolo 9!. Temos pois:
362880! = (9!)!
Esse número (9!)!, no qual figura um único algarismo igual
a 9, se fosse calculado e escrito com algarismos de tamanho comum,
teria cerca de 140 quilômetros de comprimento.
É um número respeitável!
Denomina-se fatoríal de um número ao produto dos números naturais desde 1 até esse número.
Assim, por exemplo, o fatorial de 5 é dado pelo produto 1 x 2 x 3 x 4 x 5 . Essa expressão é indicada abreviadamente pela notação 5!
que se lê: fatorial de 5.
Determinemos os fatoriais de alguns números:
3! =6
4! =24
5 ! =120
9! =362880
Com auxílio do sinal de fatorial podemos escrever expressões numéricas muito interessantes.
Calculemos, por exemplo, o fatorial de 362880, isto é, o produto de todos os números desde 1 até 362880.  Esse produto é, como já sabemos, indicado pela notação 362880!
Esse número 362880 que aí figura é o fatorial de 9; podemos, portanto, substituí-lo pelo símbolo 9!.
Temos pois: 362880! = (9!)!
Esse número (9!)!, no qual figura um único algarismo igual a 9, se fosse calculado e escrito com algarismos de tamanho comum, teria cerca de 140 quilômetros de comprimento.
É um número respeitável!
(este texto não é de minha autoria)